tudo o que deve saber na altura de comprar

A decisão de compra de um automóvel é sempre difícil. Entre viaturas novas ou carros seminovos, as diferenças são poucas. Optar por seminovos muitas vezes compensa, principalmente se olharmos à questão monetária. Por isso é importante conhecer as características deste tipo de veículos.

Para além disso, existem ainda alguns mitos quanto ao que se considera ser um automóvel seminovo. Isto é algo que vale a pena, também, desenvolver e esclarecer. É importante ter toda a informação antes da tomada de decisão.

Talvez esteja a pensar num novo automóvel para a família, e aí entra a opção de comprar um carro seminovo. Se somar prós e contras, a esta pode ser uma boa solução, quando comparado com um carro novo, por exemplo.

Naturalmente, neste caso tem de considerar, por um lado, que vai procurar opções com um ano e cerca de 20 mil quilómetros, ou seja, um carro que já foi utilizado. Contudo, por outro, tem aqui uma oportunidade para poupar e ainda pode usufruir da garantia da marca.

Por todos estes motivos e mais, e se está à procura de um veículo e os carros seminovos podem ser uma opção, continue a ler e esclareça as suas dúvidas.

O que importa saber sobre carros seminovos

O que determina que um automóvel seja seminovo

Não existindo legislação que regule os critérios que classificam um carro como seminovo, acabamos por nos cingir às interpretações dos concessionários ou dos comerciantes do ramo automóvel.

De modo geral, é tido como seguro que um automóvel seminovo é aquele que tem no máximo dois anos, uma quilometragem que deverá estar abaixo dos 20 mil quilómetros por cada ano de vida do mesmo e apenas um registo de livrete. Ou seja, que tenha tido apenas de um proprietário.

A estes pressupostos poderemos juntar, como elementos que podem reforçar a definição de um automóvel seminovo, o facto de o mesmo apresentar no livro de revisões o registo da assistência nas oficinas da marca. Mais ainda, deve apresentar carroçaria sem mazelas e habitáculo imaculado, sem evidentes sinais de uso, isto é com apresentação de um automóvel novo.

O somatório de todos estes itens é que ditará a classificação de um automóvel como seminovo. O preço, por conseguinte, deverá estar ajustado a esta condição.

Qual o valor de um automóvel seminovo

Qual o valor mais justo? Um carro seminovo tem a seu favor o facto de, à saída do concessionário ou “stand”, ter uma  desvalorização automática que em alguns casos pode atingir os 20%.

Deste modo, um automóvel classificado como seminovo poderá ter um valor de venda 25 a 30% mais baixo do que o idêntico modelo em condição de novo. Esta percentagem varia consoante a marca da viatura e o concessionário, mas o preço deverá estar balizado entre estes valores percentuais.

Garantia

Uma outra vantagem referente aos carros seminovos prende-se com a garantia. Um automóvel seminovo, com menos de dois anos de uso, ainda está dentro das normas de garantia das marcas.

Atualmente, há marcas que dão garantias de até 7 anos aos seus produtos. No caso dos automóveis seminovos é uma mais valia, pois ao adquirir o veículo com um preço mais concorrencial, continuará a beneficiar da garantia do mesmo.

O que deve ter em conta no momento de comprar

Ao levar em consideração a possibilidade de aquisição de um automóvel seminovo, atue como se estivesse a comprar um usado. Não baixe a guarda. Enquanto comprador tem direitos que deve fazer prevalecer.

Por isso, mesmo na presença de um automóvel seminovo, tente perceber o que motivou a venda do anterior proprietário. Inspecione o exterior da viatura, tenha em atenção às folgas entre painéis, alinhamento dos rodados ou outros sinais que evidenciem um possível sinistro. Verifique as soldaduras na zona do motor e imprecisões na pintura (tom dos painéis pode divergir, evidenciando uma segunda pintura), por exemplo.

No habitáculo, por seu lado, dê atenção a aspetos de desgaste nos bancos ou nos apoios laterais. Esteja atento sinais de uso no volante e/ou nos botões dos elevadores dos vidros, nas portas, ou ainda ao desgaste nas borrachas dos pedais (acelerador, travão, embraiagem), por exemplo.

Outros itens que deve ter na lista e não deve descurar

Para além de analisar o estado do veículo, no momento da decisão deverá ter sempre em conta, de igual forma, certos itens, tais como:

  • Documentação: certificar-se de que toda a documentação da viatura está em ordem e de acordo com os pressupostos da lei;
  • Historial da viatura: certificar-se das revisões realizadas à viatura e/ou quais as intervenções a que foi sujeita fora do âmbito do plano de revisões; e deste modo ter uma ideia da quilometragem do mesmo, comparando com a quilometragem que esteja registada no conta-quilómetros;
  • Garantia: tenha em conta que todos os carros comercializados por concessionários, ou comerciantes do ramo automóvel, quer sejam novos, seminovos ou usados, devem ter garantia de dois anos, ou de um ano, em caso de acordo;

Fechar o negócio presencialmente

Tendo em conta que comprar um carro é uma decisão importante e um investimento significativo, não se deixe entusiasmar e feche um negócio exclusivamente online.

Mesmo em tempo de pandemia, como o que estamos atualmente a viver, existe a possibilidade de contactar o concessionário, comerciante ou particular que tenha a viatura à venda. Privilegie o contacto pessoal. Proteja-se, mantenha a distância de segurança, mas faça o negócio de forma presencial.

Ver a viatura pessoalmente e vê-la através de fotografia não é bem a mesma coisa.

Mais ainda, um último fator que é relevante neste tipo de compra diz respeito ao ensaio dinâmico. Não se fique pela análise visual do automóvel. Se é a viatura que há tanto tempo procura solicite um test-drive, seja no caso de veículos novos, usados ou carros seminovos.

Conduza a viatura, mesmo que por poucos minutos/quilómetros, pois será esse momento o mais importante para tomar a decisão. Será nessa altura que perceberá se o que lhe disseram sobre a viatura bate certo ou não. O contacto dinâmico a juntar a tudo o resto é primordial para a realização de um bom negócio.

O que distingue um seminovo e um usado

Muitas vezes surge a confusão sobre quais os critérios de distinção entre carros seminovos e usados. Neste sentido importa, antes de mais, ressalvar que um carro deixa de ser novo a partir do momento em que sai do stand com ele. Neste momento, o carro já desvalorizou e passa a ser considerado seminovo ou usado.

Esta terminologia refere-se apenas a questões de bom senso. Falamos de carro seminovos se cumprirem determinados critérios, como já referido acima: estado de conservação, ter poucos quilómetros e ter tido apenas um dono.

Ora, por esta lógica, consideram-se carros usados todos os restantes veículos com mais anos, mais quilómetros e, potencialmente, mais registos no livrete. Para além disso, na categoria de usados cabem também automóveis acidentados ou aqueles que, por vezes, podem ser classificados como “maltratados” pelos seus donos.

No entanto, de uma forma geral, também os carros seminovos são usados. A sua decisão deve recair, essencialmente, sobre o veículo que melhor se adapta às suas necessidades e condições.

Aviso Legal

O Ekonomista disponibiliza e atualiza informação, não presta serviços de aconselhamento fiscal, jurídico ou financeiro. O Ekonomista não é proprietário nem responsável pelos produtos e serviços de terceiros apresentados, por conseguinte não será responsável por quaisquer perdas ou danos que possam resultar de quaisquer imprecisões ou omissões. A informação está atualizada até à data apresentada na página e é prestada de forma geral e abstrata, tratando-se de textos meramente informativos, pelo que não constitui qualquer garantia nem dispensa a assistência profissional qualificada. Se pretender sugerir uma atualização, por favor, envie-nos a sua sugestão para: [email protected].

E-konomista

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *